terça-feira, 6 de setembro de 2011

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Para quando o Centro Escolar do Olival?

Pergunta que se me inpunha com alguma frequência há cerca de seis meses mais alguns dias.

A resposta cabal sita em local que não levanta dúvidas, impõe que a publicite:


“Obras Municipais
A visita prosseguiu para o Olival, junto ao local onde começou a obra do Centro Escolar. Estão feitas as marcações do terreno para uma obra, cujo projecto foi lançado em Junho de 2010 e, em tempo recorde, começou em inícios de Fevereiro.
…”
Da palavra à acção, vamos no caminho certo! Quanto à questão do tempo recorde, esperemos que os tiros no pé não sejam como a azeitona em tempo de apanha!

O residente

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Feira do Adro 2011

Quando me preparava para escrever algo sobre a Feira do Adro do Olival, um sinal sonoro, daqueles que nos avisam que tocámos na tecla errada, seguida de mensagem escrita, alertou-me de que o ficheiro “feira do adro” já existia.
Logo saltou a curiosidade para ver o que havia escrito sobre o assunto em 2010. Como não pretendo ser repetitivo, deixo para hoje, as minhas palavras de “ontem”.

O residente

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Residente Presidencial


   Olhando para estes resultados aqui e sem descobrir “a pólvora” como algumas pessoas pretendem, ainda assim chego a expressivas e preocupantes conclusões.
·        Abstenção. Vergonhoso o desinteresse dos eleitores. Causa provável, os políticos e os pseudo-políticos, nos quais me terei de incluir.
·        Comparação dos resultados com gestão local. Não necessariamente, tal a discrepância dos valores.
·        Comparação dos resultados com a gestão governamental. Aviso sério de descontentamento assente na mesma discrepância dos valores.
·        Brancos e muitos dos nulos. Mais grave que a abstenção pois existe a intenção clara de demonstrar o descontentamento. Não se trata de indiferença mas que fique registado que nenhum dos candidatos satisfaz.
·        Independentes. Movimentos emergentes cada vez mais significativos, atingindo no nosso concelho resultado acima de todas as expectativas, muito por culpa do trabalho dos muitos movimentos de cidadãos já existentes. Sinal evidente da necessidade de introspectiva das estruturas partidárias locais. Introspectiva será pouco!
·     Residente Presidencial. Sem dúvida, o melhor preparado, embora não compreenda que um Presidente da República faça a gestão de um mandato com o objectivo de ser reeleito e ainda eu ache que a democracia eleva-se à 2ª e à 3ª volta, se necessário.

O residente

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

ENXOVALHO


Embora conheça o sentido da palavra, tive algumas dúvidas e recorri ao “meu amigo Dicionário” da Porto Editora, 5ª edição, do já ido ano de 1976:
Enxovalho. s.m.  acto ou efeito de enxovalhar; fig. Afronta; desonra; humilhação.
Afronta deixou-me também outras dúvidas e lá voltei eu:
Afronta, s.f. injúria lançada em rosto; ultraje; desprezo; ameaça; fadiga; violência (de afrontar).
Agora sim, sem dúvidas, vamos lá tira-las a quem as tenha, não que as palavras, por si, o mereçam, mas sim o texto, que só aparentemente, não tem sentido nenhum.
No dia 30 de Dezembro estive presente na primeira reunião da Assembleia de Compartes do Olival, na Barrocaria, aldeia da Freguesia do Olival que, desde 1993, tem também a sua Assembleia de Compartes.
Com publicitação deficitária, (dois panfletos de que tive conhecimento e o anúncio feito pelo Senhor Pároco no período de avisos após a homilia de domingo) compareceram vinte e poucas pessoas, dez eram os elementos da comissão “ad hoc”, os outros por convite (tal a unicidade) menos eu e as duas pessoas que me acompanhavam; isto “ grosso modo”.
E fomos realmente afrontados, tentativas de injúria e de ameaças aconteceram, mas nem por um momento vacilei ou tive vontade de sair daquele espaço, pois estou e continuo convicto dos motivos pessoais que me levaram e levam a dar a cara por uma nova consciência social.
Falo em termos pessoais, pois era nessa qualidade que me encontrava presente, como comparte, até porque o Moia declarou, em tempo oportuno, que o seu trabalho como defensor dos baldios, havia terminado na Assembleia de Freguesia. Algo que o PS local não entendeu e rapidamente se movimentou de forma a eleger para os cargos sociais, alguns dos seus mais directos apoiantes, (embora cargos não remunerados, bem ao jeito dos “boys”), alguns dos quais haviam votado contra a criação desta mesma Assembleia de compartes.
Parece-me bem mais acto humilhante e desonroso, aceitar e assumir um cargo de responsabilidade de algo que não se pretendia aceitar e que oito dias antes se criticava e combatia ferozmente!
Em suma, alguém saiu enxovalhado, mas não o Pedro nem o Saul. Dá que pensar não?
Bem hajam.
O residente

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

ASSEMBLEIA DE COMPARTES DO OLIVAL

Ao fim de 3 reuniões formou-se a dita Assembleia e aprovou-se a cedência do terreno para a construção do Pavilhão Gimnodesportivo da Câmara Municipal de Ourém em Olival, como muito bem o determina os documentos previsionais para 2011 do nosso edil.
Politizou-se os seus cargos sociais e passou-se uma esponja na verdadeira essência da Assembleia de Compartes. Será efectivamente um trabalho para mais tarde se fazer.
Garantiu-se que a cedência é definitiva para o Pavilhão Gimnodesportivo e não para um barracão qualquer, obrigando nesse caso à devolução do mesmo aos Compartes!
Em boa verdade somos todos, pessoas de boa-fé até prova em contrário, e a compra do terreno junto à actual escola que do vendedor teve como condição apenas vender se para uma escola fosse o seu destino, levantou-nos a lebre!

Honre-se a palavra nos actos!

O residente